Descanso das Letras

Discussão acerca de Literatura
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 O QUE É POESIA MARGINAL?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
rommel

avatar

Mensagens : 186
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 29
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 20 Nov 2010, 20:02

Maysa Miranda
Poética do A (O) caso
in A Tarde,
02/04/99



A estética da poesia marginal deve orientar-se nos seus múltiplos aspectos ao estudo da poesia de produção alternativa, divulgada à margem da editoração oficial, porém ocupando seu espaço na literatura, no contexto de fruição da lírica nacional. Salvador, em certo momento, foi escoadouro de significativa parcela de produção e de recepção da poesia das ruas, do corpo a corpo dos poetas nas filas dos cinemas, dos teatros e outras; nos bares, nas praças, nos institutos culturais, nas escolas, nas editoras, e até na sala de aula de alguns professores liberais.

Mas o que seria a Poesia Marginal que aparece nos compêndios escolares ao lado da Poesia Concreta, do Poema Processo? A Poesia Marginal não parece ter existência conceitual muito precisa, pois redundante seria o processo alternativo da lírica. A libertação das palavras das algemas do cotidiano resulta do lapidar, do recortar, colar, ensacar, montar, contar, rimar, do literariar, em suma. Tal expressão só pode ser entendida no contexto sócio-político-econômico do capitalismo, no cenário dos anos de maior repressão, num período que vai do final dos anos 60 aos primeiros anos dos 80. Editoração, publicação e divulgação atuam à margem do sistema vigente, atacando-o contraditoriamente pelos flancos marcantes do consumismo burguês, do ter sobre o ser.

Os poetas alternativos levaram a poesia para as ruas, democratizaram a arte, declamaram bem alto, para que os hermanos nos ouvissem, e reforçaram seus cantos com idéias e formas. Salvador já foi palco de todo tipo de publicação alternativa. Cartões, camisas - para esses poetas quase tudo serve de suporte lírico: o papel, a brochura, a xerox, o espaço, vozes ecoando nas praças, nos palcos, nas telas dos cinemas, nos pátios, nos bares, nas calçadas.

Assim entendida, a Poesia Marginal revela-se como processo criador duplamente revolucionário na linguagem, posto que poético e político em seu nascedouro, trazendo como arma o resgate da oralidade perdida com o surgimento da escrita, agravada pela impressão. Dupla face, com tradição vanguardista.
O poeta é um ser em relação com a palavra, com a fala. Tem todas as fomes do pão da palavra, e tem “essa fome” do “sonho faminto subnutrido de liberdade, engolindo o gosto da própria fome”, como já disse um desses marginais da poesia. Revela-se a outras fomes, de proteínas, de mulher e de justiça.

Fantasmas rondam as cabeças desses poetas dos anos 70/80, a Terceira Lâmina de Zé Ramalho da Paraíba? Em 1976, Fragmentos de Márcio Salgado revela um lirismo temperado com “flores atômicas” de um Jorge Mautner? Dirceu Regis, em 1975 lança compromisso onde declara: “E meu canto faz-se alimento, alento dos esquecidos”. Semírames Sé, a representante das mulheres nos movimentos alternativos, alternados pelo grupo Poetas na Praça, radicalizava o procedimento da lírica emergente: “É o dito pelo dito”. Assim, o poeta é visto como um operário. Incansável, em eterna vigília, a ponto de figurar meses nalgum muro da cidade a inscrição: “O operário é um poema censurado”.

A libertação promovida pela estética marginal descreve uma trajetória que vai do mais engajado texto a uma maior experimentação performática, na pura busca do fazer inerente à contracultura, presente nas comunidades alternativas, onde se curtia o exoterismo e a poesia, como parte de um barato total, também como forma de protesto, deixemos que falem os verbos anavalhados de Antônio Short:

“Pregarei a minha incoerência / na colheita da igualdade / Que se despedaça com medo / da safra do dividir”. Anjurbano que precocemente nos deixou a marca de um verso marginal, da sua dicção perfeita, em performances evocadoras de Gregório de Mattos, de Castro Alves, dos ecos das poesias nas praças, na cara das pessoas.
Em 1976, Nathaniel Braia aparece com um título que dá conta do procedimento estético: Lodo Marginal. Um pouco depois, Lurdes Motta, recém-saída da Oficina de Criação Ilufba, o espelho da palavra, diz que: “No mais, tudo é marginal”.

Para Douglas de Almeida, os resíduos da alma doem mais por isso: “Canto mágoas/Canto Máscaras/Canto Sofrimento”. Longe de uma temática supostamente escatológica, naquele mesmo ano, um certo João Gualberto lança Um Visor Vomita Versos, um trabalho em que a forma da estética concretista é apenas vestíbulo, ou fundo para os mesmo versos-lâminas. Na esteira do lixo urbano, encontramos Dejetos Urbanos, de Lula Miranda e Bronha de Guiba. “Os becos são asilos de Mijo e Esperma”. (Vasconcelos e Guiba)

Muitos foram os nomes que movimentaram o circuito alternativo de poesia na Bahia, mas, entre muitos, registrando-me como fruidora, embora estivesse especialmente instigada a fazer pesquisa sobre a criação literária, como aluna e monitora de Teoria da Literatura, jamais dispensei uma criação desses poetas. Tudo que me chegava às mãos diariamente pela cidade, os ecos da vida, a censura, a música e a literatura, fonte de engajamento naquele mundo de malucos e caretas.

Geraldo Maia, Manuka, Lula Miranda, Douglas de Almeida, Agenor Campos, Walter César, Antonio Short, Pedro César e Semírames Sé. A expressão Anjurbano define bem a estética desses combatentes da oralidade, como disse, em entrevista a A TARDE, Antônio Short, onde se se definia como um deles e em nome deles, afirmando que nunca foram contra a grande produçãoda poesia institucinalizada, mas que preferiam o contato mais direto com o público.

Seguindo o processo de escrita/editoração/divulgação, algumas publicações mostram-se mais freqüentes, marcando o cenário alternativo, como República das Bananas (1979/1980); Caspa (1981); Sem Perfil; Ecos da Poesia na Praça (1985/86/87). Alternativo? Marginal? Poético. Único adjetivo possível, em meio a uma massa substantiva singular. Seria menos marginal um Agripino de Paula, ou a antena de Evelina Hoisel em o Supercaos? Até onde irão os limites entre produção cultural e poder?

No mais catedrático instituto nasce a rebeldia de algum maldito. Entre os executivos engravatados haverá um Mascarenhas que jamais capitalizou seus versos, pois os deixa numa mesa como se fossem um guardanapo sujo. Ali no restaurante, no guardanapo, ele deixa escrito: “A gente não esquece com a desculpa / nem tão pouco com a bússola / A gente junta pra se perder.” // “Deleite-se em deletar os versos maus / Para não delatar os delitos do amigo” (Creuzinha Capadócia)

A estética alternativa já foi até certo ponto absolvida pela sociedade do consumo como moda, mas os anseios e muitos problemas da nossa sociedade permanecem os mesmos, embora haja um grande alerta geral, vindo da própria sociedade. Os poetas continuam a malhar em seu suor e sangue.


Este trabalho é um resumo de uma pesquisa cujo corpus está incompleto, pois mesmo quando não se teve a posse dos textos, algo ficou anotado – de uma camiseta velha, de um postal-poema, ou de um poster na casa de um amigo, ou deixado numa exposição.



Nascida em São Félix (Bahia), Maysa Miranda é
poeta, contista, ensaísta e
professora. Publica desde 1984, quando ganhou um concurso de contos.
É autora do livro Seixo Rolado, poesia, entre outros.

Jornal de Poesia
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.poesiaretro.blogspot.com
rommel

avatar

Mensagens : 186
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 29
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: CONSIDERAÇÕES MINHAS   Sab 20 Nov 2010, 20:06

Ao contrário do que andam dizendo, eu nunca disse que poesia marginal não fosse válida. Mentira! Julgo uma estética válida sim, no entanto, precisa ser bem cuidada mesmo porque é muito mais difícil de escrever e deve haver um cuidado para não cair no panfletarismo que reina absurdavelmente hoje.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.poesiaretro.blogspot.com
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 27 Nov 2010, 05:40

Manhã de sábado

Um jovem
numa esquina
olha a menina
pular amarelinha
vomita num canto
os excessos da balada
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 27 Nov 2010, 06:14

Saques

Sacou da arma
e da palavra
gritou
é um assalto
sacou?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
rommel

avatar

Mensagens : 186
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 29
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 27 Nov 2010, 07:20

Moira Ochs escreveu:
Manhã de sábado

Um jovem
numa esquina
olha a menina
pular amarelinha
vomita num canto
os excessos da balada


Muito legal.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.poesiaretro.blogspot.com
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 27 Nov 2010, 07:59

Retrato

Os pés descalços
a barriga inflada
e a pança vazia
a cor parda
os cabelos amarelos
o farol vermelho
um sorriso branco
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
rommel

avatar

Mensagens : 186
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 29
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 27 Nov 2010, 11:58

Verde

Médicos de verde em cima de mim
Hummm lembro que verde também é cor de dinheiro....



Que acharam? Tá muito ruim?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.poesiaretro.blogspot.com
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 27 Nov 2010, 18:10

Sexo legal

Quero sexo
ali na hora da vontade
sem luxo
na força da natureza
e se o bucho cresce
e me aparecem os meninos
o destino que eles têm
na cidade
pode ser um descaminho
mas no cantinho onde vivo
quando eles pegam idade
são os braços que me ajudam
a por comida na mesa
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
RONALDO RHUSSO

avatar

Mensagens : 1515
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 48
Localização : Via Láctea

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 27 Nov 2010, 18:42

Por quês

Porque é tudo junto, mas tudo junto é separado...
Por que o sol é quente, mas tem o núcleo congelado?
Por que o tempo é a casca que reveste as horas, mas essas passam querendo deixa-lo para trás?
Por que o tanto faz não se preocupa tanto quanto o que faz tanto?
Por que a noite consegue banhar de sombras a cada dia?


Ronaldo Rhusso


Última edição por RONALDO RHUSSO em Sab 20 Dez 2014, 10:54, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ronaldorhusso.wix.com/ronaldorhusso
rommel

avatar

Mensagens : 186
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 29
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Dom 28 Nov 2010, 10:39



BRINCANDO DE MÉDICO


O médico brincou comigo na infância
Saiu no jornal, na escola, na igreja!
Foram me apredejar, me xingar.
Virei efebo da prole paulista
Nos Jardins lá no parque


Rommel Werneck
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.poesiaretro.blogspot.com
rommel

avatar

Mensagens : 186
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 29
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Dom 28 Nov 2010, 12:55


GÓTICO MARGINAL


Lord Promiscus me chupou todo
no cemitério e logo me deixou
Esqueleto semimorto...
Mas Lady SIDA ficou de lembrança


"Lord" Rommel Werneck
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.poesiaretro.blogspot.com
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Ter 30 Nov 2010, 09:50

Trecho final do hino à Proclamação da República

(Medeiros e Albuquerque)

Do Ipiranga é preciso que o brado,
Seja um grito soberbo de fé,
O Brasil já surgiu libertado,
Sobre as púrpuras régias de pé.
Eia pois, brasileiros, avante!
Verde louros colhamos louçãos,
Seja o nosso país triunfante,
Livre terra de livres irmãos!

Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós
Das lutas, na tempestade
Dá que ouçamos tua voz.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eduardosantos

avatar

Mensagens : 4
Data de inscrição : 17/11/2010
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Pequena Porção   Qua 01 Dez 2010, 16:09


Me cega

Luz

Pequena porção cega

Óculos de grau

De amor

De grau

De amor

Luz

Cega meus olhos de amor

Onde estará esse amor

Me cega

De Luz

Me nega

Solidão

Traz uma canção

Que me ouça

E me deixe

Luz

Poesia marginal, conceito de expor palavras sem uso da ordem poetica convencional, sem sequências primas se caracterizando pela ausência da rima propriamente dita.

Att
Eduardo Santos
CEP São Paulo
Centro de Experimentação Poética de São Paulo
http://cepsaopaulo.blogspot.com
http://cronicaseoutrospecados.blogspot.com
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://cepsaopaulo.blogspot.com
madeixa

avatar

Mensagens : 14
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 44
Localização : Petrolina - PE

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Qua 01 Dez 2010, 18:23

De verdade! De verdade!
Fale as brasas sobre os nós
Nas frutas, da Liberdade
Já caçoamos tua avó.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/madeixa
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Qui 02 Dez 2010, 08:18

Testamento

Em bela caligrafia,
registro minhas previsões
para um futuro sem rima.
À margem, anoto, a esmo,
observações sem sentido
sobre o meu poema barato.
Imprimo o mata-borrão
e tenho cópia em espelho...
Escolho um velho envelope,
guardo o papel bem dobrado,
derreto o lacre na chama
e selo o vão conteúdo.
Marco a data de abertura,
num evento do futuro...
Coço a pinta no nariz,
e caço a velha vassoura
que nem sei onde ficou.


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 04 Dez 2010, 20:26

Luto

Luto porque não sei fazer outra coisa,
e porque trago no meu peito luto.

Luto porque a palavra aprisionada
devolve a minha poesia ao luto.

Luto, estendendo a minha luta ao mundo,
ao mesmo mundo que me deixa em luto.

Luto que já se estende por uma semana,
e mesmo sem saber por que, eu luto.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
rommel

avatar

Mensagens : 186
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 29
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sab 04 Dez 2010, 22:03

Moira Ochs escreveu:
Luto

Luto porque não sei fazer outra coisa,
e porque trago no meu peito luto.

Luto porque a palavra aprisionada
devolve a minha poesia ao luto.

Luto, estendendo a minha luta ao mundo,
ao mesmo mundo que me deixa em luto.

Luto que já se estende por uma semana,
e mesmo sem saber por que, eu luto.



Eu adorei, amiga escritora
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.poesiaretro.blogspot.com
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Qui 09 Dez 2010, 06:20

Dupla face

Uma certa verdade
que ninguém comenta:

As mulheres sentem prazer enquanto
amamentam...

Deve ser por falta
de homens de verdade,
que há tantas mulheres, com
um filho pendurado ao peito,
por esse mundo afora!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Sex 10 Dez 2010, 13:33

Verão

Fez xixi aqui, mijou ali, marcou lá adiante,
o cãozinho atravessou a praça
indiferente ao sol...

Balançava a cauda erguida,
orgulho de macho,
ao sumir do outro lado
na direção do bar do Sei lá... (argh!)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Moira Ochs

avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 27/11/2010
Localização : São João da Boa Vista

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Qui 16 Dez 2010, 17:56

Natal

Prato cheio
barriga vazia...
Alheia à fome
e ao anonimato,
mora na praça
e observa pombos,
na manhã de sábado.


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
RONALDO RHUSSO

avatar

Mensagens : 1515
Data de inscrição : 15/11/2010
Idade : 48
Localização : Via Láctea

MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   Qui 17 Maio 2012, 22:37

Sina

Aguardou a vez
Abaixou a guarda
Semicerrou os dentes
Foram-se os últimos centavos
Foi-se um copo de aguardente...

Ronaldo Rhusso
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://ronaldorhusso.wix.com/ronaldorhusso
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: O QUE É POESIA MARGINAL?   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
O QUE É POESIA MARGINAL?
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Morte na Marginal
» Caça a multa
» MTP Arrábida/Choco Frito Domingo 24 Junho

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Descanso das Letras :: PRODUÇÃO LITERÁRIA :: Poesia Marginal-
Ir para: